segunda-feira, 14 de junho de 2010

O que fazer se encontrar um animal ferido

Na passada sexta-feira quando fazíamos a nossa caminhada encontrámos um jovem pardal que aos saltinhos e sem saber para onde ir tentava afastar-se dos pés de quem por ali passava. Estávamos numa Avenida bem movimentada e cheia de trânsito. Segui alguns dos conselhos que vos deixo aqui, e a solução foi levar o animal para casa e contactar o Centro de Recuperação de Animais (não domésticos), ficou lá e agora posso telefonar para obter informação sobre o seu estado, quando for libertado posso ir assistir se assim o desejar. Não custa nada, muita gente pensará é só um pequeno pardal..., eu penso é um ser com vida a precisar de ajuda, sinto-me muito bem sempre que posso ajudar! Já agora digo-vos que lhe demos nome chama-se Ed (pois nós tínhamos ido á EDP).
A informação é longa eu sei mas podem copiá-la quem sabe um dia servos-á útil.





O que fazer se encontrar um animal ferido... Se encontrar um animal ferido ou debilitado...
Aproxime-se com cuidado, pois o animal ferido pode ser agressivo;
Cubra-o com uma toalha ou peça de roupa, de forma a privá-lo da visão;
Coloque-o dentro de uma caixa de cartão perfurada e com tiras de jornal no fundo;
Contacte um centro de recuperação para obter informações sobre a forma de lidar com o animal;
Caso o animal não possa ser transportado para um centro nas próximas horas, deve manter a caixa num local escuro e calmo.
Atenção, deve também ter em consideração que...
Atenção, deve também ter em consideração que...
Todos os anos muito animais juvenis são entregues no LX CRAS, porém muitos deles não necessitam de ajuda e acabam por se tornar órfãos.

Por isso é importante saber que:
Se encontrar um animal juvenil, com aspecto saudável, sem fome e capaz de andar, não o moleste, deixe-o no mesmo local ou encaminhe-o para um local próximo mais seguro, caso este se encontre perto de uma estrada.
As aves, nomeadamente nocturnas, deixam o ninho antes de saber voar, trepam ao longo dos ramos e, por vezes, caem das árvores. Por isso, observe se os pais estão cuidar das suas crias. Coloque-as no ninho apenas se necessário.
Em meios rurais, os celeiros são muitas vezes utilizados por corujas para fazer os seus ninhos. Não as moleste, lembre-se que estes animais se alimentam de pequenos roedores.
É comum os animais juvenis estarem sozinhos, sem os progenitores. Mas isto não significa que estejam abandonados.
Se encontrar um animal fraco, com dificuldade em deslocar-se ou que apresente ferimentos, recolha-o e entregue-o num centro de recuperação.
Nunca fique com um animal com intenção de o recuperar. Um animal que é mantido em cativeiro perderá a possibilidade de sobreviver no seu habitat natural, tornando-se incapaz de se alimentar pelos seus próprios meios, além de perder a capacidade de defesa, não reconhecendo os outros como predadores.
Sempre que entregar um animal ferido ou debilitado poderá visitar as instalações e conhecer o trabalho desenvolvido pelo centro, bem como obter informações sobre o estado clínico do animal entregue. Além disso, sempre que a recuperação for efectiva pode ainda assistir à sua libertação. No entanto, não é permitido visitar os animais em recuperação, apenas os que estão no Parque de Irrecuperáveis.
Como voluntário, pode participar nas actividades de manutenção, recuperação ou dinamização e nas acções de libertação sempre que se interesse pelo processo de recuperação de um determinado animal.

Que animais recebe o LX CRAS?

O Lx. CRAS apenas espécies silvestres da fauna autóctone Portuguesa.

Veja algumas das espécies de animais tratadas no LX CRAS ao longo dos anos: Águia de asa-redonda, Águia de Bonelli, Bufo real, Cegonha, Falcão peneireiro, Gaio, Gaivota, Ganso-patola, Garça-real, Grifo, Ouriço-cacheiro

Localização:
Estrada do Barcal, Monte das Perdizes, Parque Florestal de Monsanto

Fonte C.M.L. Espaço Monsanto

2 comentários:

  1. Oi Romy é tão bom poder ajudar qualquer ser vivo, só nos faz crescer como seres humanos.
    bjs.

    ResponderEliminar
  2. Muito boa informação. Eu nem sabia da existência de tal centro e já recuperei alguns animais magoados ou feridos, mas sempre sem os retirar do habitat, pois em geral se os retirarmos e levarmos para casa eles acabam por morrer. muito obrigada pela informação bastanta detalhada. Recorrerei a eles no futuro se necessitar.
    bjs

    ResponderEliminar